domingo, 11 de dezembro de 2011

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

EMTU/SP prepara licitações e realiza audiências públicas para apresentar características do sistema VLT

02/12/2011 - EMTU

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos - EMTU/SP vai realizar nesta sexta-feira (02/12) duas audiências públicas para apresentar as características gerais das licitações do Sistema Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) que vai operar no trecho prioritário de 15 km do SIM – Sistema Integrado Metropolitano. São 11 km de São Vicente (Barreiros) a Santos (Porto), além da extensão de 4km do Porto a Valongo, em Santos.

Às 10h, no Mendes Plaza Hotel (Rua Floriano Peixoto, 42, Gonzaga) serão apresentados aspectos técnicos do veículo (material rodante): o sistema terá 22 VLTs, cada um deles com capacidade para transportar 400 pessoas por viagem. O veículo tem 44m de comprimento e opera a uma velocidade de 50km/h.

Às 14h, no mesmo local, haverá a apresentação dos Sistemas de Sinalização, Telecomunicações, Auxiliares e de Energia necessários à operação do sistema VLT. Os dois editais têm previsão de publicação até o final de dezembro de 2011.

Trecho prioritário

O SIM tem como objetivo reestruturar o transporte público nas cidades da Região Metropolitana da Baixada (Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Peruíbe, Bertioga, Cubatão, Mongaguá e Itanhaém), com a integração das linhas metropolitanas e municipais, por meio de um sistema tronco-alimentado (linhas operadas com ônibus que alimentam a linha troncal, a ser operada por Veículo Leve Sobre Trilhos - VLT).

Em sua primeira etapa, o projeto envolve a ligação por VLT entre Barreiros, em São Vicente, e o Porto de Santos (Estuário), com uma extensão de 11 km, mais uma extensão de cerca de 4 km até o Valongo, em Santos, totalizando 15 km. O investimento previsto na primeira etapa é de R$ 690 milhões (projetos e infraestrutura do VLT).

Neste trecho prioritário, estão previstos três terminais, duas estações de transferência e 16 paradas (total de 21 estações). O Terminal Porto ficará próximo à futura ligação por túnel entre Santos e Guarujá, a ser construída também pelo Governo do Estado. A previsão é de que sejam transportados no SIM/VLT 220 mil passageiros/dia útil e na linha troncal (VLT) serão 70 mil passageiros/dia útil.

Benefícios ao transporte e ao meio ambiente

A reorganização do transporte metropolitano na RMBS por meio da integração das linhas municipais e metropolitanas à linha troncal do VLT beneficiará os usuários, com viagens mais rápidas no sistema, e também o meio ambiente, que contará com um sistema totalmente limpo, além da redução de ônibus urbanos em circulação

TRANSPORTE

No trecho São Vicente (Barreiros) – Santos (Estuário)

- Redução de 23% na frota de ônibus, que passará de 453 para 352 veículos

- Redução do número de linhas também de 52 para 32.

- Frota do VLT: 22 veículos, com capacidade para 400 passageiros/veículo.

- Redução de tempo gasto com transporte (representando uma economia de até R$ 239 milhões/ano) e integração tarifária.

- Com menos ônibus circulando, a expectativa é de uma economia de aproximadamente R$ 21 milhões/ano em gastos como acidentes e manutenção de viário.

MEIO AMBIENTE

- Redução da emissão de poluentes na atmosfera, representando uma economia de R$ 12 milhões/ano. 

- Redução significativa  do consumo de energia, pois o VLT  consome 2,6 menos energia do que os ônibus e 5,4 menos energia do que os automóveis.

- Revitalização urbana com ganhos diretos e indiretos para a população de toda a Região Metropolitana da Baixada Santista.

Operação do SIM/VLT

A configuração que está sendo estudada pelo governo estadual para viabilizar a operação do SIM/VLT é de uma Parceria Público-Privada (PPP) precedida de obra pública, ou seja, o governo do Estado investe em obras civis, desapropriações, sistema e material rodante (VLT), arrendando a operação para a iniciativa privada, que se comprometerá a expandir o sistema mediante a uma contraprestação paga pelo Estado.

CRONOGRAMA SIM/VLT                                                                             

Contratação Projetos Executivos - trecho Terminal Barreiros e o Terminal Porto.

Publicada a classificação em 29/11/2011

Contratação Projeto Funcional, Básico e Executivo de Trechos Conselheiro Nébias/Valongo, Conselheiro Nébias/Ponta da Praia/Ferry Boat, Barreiros/Samaritá e Samaritá/Terminal Tatico, Pesquisa de Transporte na RMBS, Reorganização do Transporte Metropolitano e Municipal da RMBS.

Publicada a classificação em 01/12/2011

Obtenção da Licença de Instalação para o SIM, trecho Barreiros - Porto.

Publicada a classificação em 26/11/2011

Pré-qualificação de empresas/consórcios com vistas à execução das obras civis para implantação dos Lotes 1 e 2 do trecho prioritário da Rede de Veículos Leves sobre Trilhos (VLT), compreendido entre o Terminal Barreiros no município de São Vicente e o Terminal Porto no município de Santos, incluindo a Extensão Conselheiro Nébias/Valongo, na RMBS.

Publicado Edital 03/12/2011

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Duas passagens de nível serão contruídas na Baixada Santista

01/12/2011 - Tribuna de Santos

Os desenhos das duas obras já estão em conformidade com o traçado do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT)

Por Fernanda Balbino

Os moradores do Campo Grande e da Pompeia, em Santos, terão novas alternativas de ligação entre os dois bairros. Duas passagens de nível atravessarão a linha férrea paralela à Avenida Francisco Glicério e prometem diminuir o trânsito nas vias arteriais da região.
Em um primeiro trecho, será feita a conexão entre as ruas Visconde de Cairú e Paraíba. Já no outro ponto, a mudança será com as ruas Visconde de Farias e Rio Grande do Norte.

Na primeira intervenção, os veículos farão o trajeto no sentido Pompeia/Campo Grande, seguindo a mesma mão de direção da Rua Paraíba.  Já na segunda, a Rua Visconde de Farias seguirá com mão dupla, dando acesso à Pompeia, onde se une à Rua Rio Grande do Norte, mantendo o sentido único.

Com as obras, a Rua Visconde de Farias, no Campo Grande, se unirá à Rua Paraíba, na Pompeia

De acordo com o secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Carlos Alberto Tavares Russo, as obras começam até janeiro e devem durar 30 dias em cada trecho. O custo, R$ 30 mil para cada passagem, será viabilizado com recursos e mão de obra municipais.

Os desenhos das duas obras já estão em conformidade com o traçado do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), ou seja, não precisarão ser adaptados quando o novo meio de transporte for implantado na Baixada Santista.

A abertura das passagens de nível é um anseio antigo da população daquela região. Isto porque a interligação entre os bairros Campo Grande e Pompeia é complicada e faz com que os moradores tenham que dar longas voltas para ir de uma rua à outra.

Além disso, são obrigados a utilizar vias de trânsito intenso como os canais 1 e 2, as avenidas Pinheiro Machado e Bernardino de Campos, respectivamente.

Discussão

No último dia 8, uma audiência pública promovida pela Câmara reuniu moradores, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a Prefeitura, através das secretarias de Planejamento e Obras e Serviços Públicos. “A população se sente ilhada. Eles falam que existe Santos do lado Trem-Praia, da classe A, e Trem-Centro, da classe B. É em tom de brincadeira, mas eles se sentem prejudicados”.

Segundo Russo, após o evento foram definidas as estratégias da obra. Mas para que seja iniciada, algumas interferências devem ser solucionadas. Árvores e postes de alta tensão deverão ser removidos, assim como pontos referenciais de satélites, que estão localizados em trechos da calçada. A rede de captação de esgoto é outro ponto que será alterado.

“Temos que trabalhar com as concessionárias Sabesp, CPFL e outras secretarias também, mas são coisas que podem ser resolvidas até o final do ano, quando tudo estará pronto para as obras”, destaca.

O zelador Samuel de Souza está otimista com as mudanças. “Isso aqui no horário de pico é um caos. A coisa complica. É melhor sentar e esperar para depois sair”, afirma. Já a dentista Ana Paula Peixoto teme que a Avenida Francisco Glicério seja prejudicada com a intervenção. “Vai ficar um anda e para sem fim. Quem segue pela Glicério vai se prejudicar”, argumenta.

José Menino

Outra passagem de nível será construída, desta vez na região próxima à Gruta Nossa Senhora de Lourdes, no José Menino, próximo à divisa entre Santos e São Vicente.

Atualmente, o trecho, que fica no final das ruas Gaspar Ricardo e Godofredo Fraga, é ponto de encontro para usuários de drogas e desocupados. A intervenção ligará as ruas Gaspar Ricardo e Santa Catarina e eliminará o ponto que hoje é um problema para moradores do bairro.

O VLT também passará por lá. Por isso, a responsabilidade da linha férrea é da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), que teve a área cedida pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) para a implantação do futuro meio de transporte.

O início das obras neste trecho depende do projeto, que está sendo executado pela CET e deve ser entregue até o próximo dia 10. “Vamos fazer uma ponte, com passarela, que passará por cima do canal para que se tenha visibilidade e sejam respeitadas as condições de segurança do local”, afirma Russo.